logo
rss  Vol. XV - Nº 248         Montreal, QC, Canadá - quarta-feira, 27 de Maio de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContacto arrowÚltima hora arrowClima
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Espírito Santo em Ste-Thérèse

São Pedro em dia de São João!

Norberto Aguiar

Por Norberto Aguiar

Este ano as festividades em honra de São Pedro voltaram a ter a atração duma delegação de Lagoa, vila micaelense geminada com Ste-Thérèse desde 1993. Desta vez quem veio foi Fernando Jorge Moniz, vice-presidente camarário, que chefiou um grupo de 10 pessoas, incluindo uma banda musical. No ano passado, essa chefia estivera a cargo do presidente da Câmara, Eng. João Ponte.

santa teresa delegacao desfile
Delegação lagoense - Fernando Jorge Moniz acompnahado da esposa, Sylvie Surprenant e esposo, e Palmira Bettencourt integram o cortejo religioso das festas de São Pedro
Foto: LusoPresse

A delegação lagoense, que ainda incluía a professora Palmira Bettencourt, mulher com uma boa folha de serviços nestes intercâmbios Lagoa/Ste-Thérèse, visou (visa) uma aproximação cada vez mais intensa com a cidade quebequense através das suas instâncias políticas, económicas e culturais, mas também foi (é) motivada por uma maior aproximação com os lagoenses de Ste-Thérèse, que são muitos, diz-se mesmo que são maioritários relativamente a todos os outros portugueses. E numa altura em que se sabe que a Lagoa será elevada a cidade em Abril de 2012, nada nos custa acreditar que o Fernando Jorge - nosso conhecido do tempo em que jogávamos no Operário, onde o pai, Senhor Dorvalino Moniz Barreto, era a sua trave-mestra - tenha deixado convite formal para os edis teresenses se deslocarem à Lagoa nesse momento histórico.

Por outro lado, a delegação lagoense também participou nas festividades de Saint-Jean-Baptiste, levadas a efeito em Ste-Thérèse, visitou vários pontos turísticos da região, também de Montreal, assinaram o Livro de Honra, passaram pela reunião da Assembleia Municipal, reuniram com a «mairesse» Sylvie Surprenant e assistiram, como não podia deixar de ser, às festas de São Pedro, organizadas pela Associação Portuguesa de Ste-Thérèse e cujos Mordomos, melhor dizendo, Mordomas, foram Kathy Soares e Andreia Vieira.

As festas de São Pedro

 

santa teresa rainha
Foto: LusoPresse

Começaram na sexta-feira, pelas 20h00, nas instalações da Associação, situada no 103 da rua Turgeon, com a bênção da carne e da massa sovada. A bem-dizer, as festas começam muito antes, mesmo logo quando acaba o império do ano e se começa a definir e a «contratar» os paroquianos interessados nas «pensões» - uma pensão é constituída de uma porção de carne, uma garrafa de vinho, um bolo de massa... Há no entanto variações de império para império, dependendo dos usos e costumes dos seus promotores.

Depois, no sábado, as «Pensões» começaram a ser distribuídas logo pela manhã. Trata-se de um ritual impressionante, só compreendido por quem o vive um dia - adolescente, participávamos nos impérios organizados pelo meu avó materno, um homem com a sua importância na freguesia, e a distribuição das «Pensões» só era ultrapassada pela «folia dos gueichos». Foi assim que Blainville, Boisbriand, Laval, Montreal e naturalmente Ste-Thérèse foram as localidades percorridas na azáfama da distribuição da «carne, do vinho, da massa...».

À noite, viria o arraial, por sinal muito bem preenchido, o que fez acorrer à zona do Mercado de Ste-Thérèse, uma assistência recorde. DJ-Moreira & Eddy-Jam, a Marcha do Oriental e, sobretudo, a presença do Conjunto Starlight disso foram responsáveis. De resto, sabemos que muitos forasteiros foram até à cidade nortenha apenas para assistir à atuação do grupo de Toronto, um dos melhores, senão mesmo o melhor grupo musical de toda a imigração lusa neste continente. Entretanto, à meia-noite, serviram-se as «Sopas do Divino Espírito Santo».

 

santa teresa jovens desfile
Foto: LusoPresse

No dia 26, a Procissão de fé partiu ao meio-dia da Associação para a igreja Coração Imaculado de Maria, no boulevard Desjardins, alguns quilómetros a sul. Muitos participantes, homens e mulheres, com muitas crianças. Também responsáveis políticos locais, como a presença da presidente da Câmara, Sylvie Surprenant, que se fazia acompanhar do seu companheiro, o vila-franquense José Escaler. O presidente Jorge Costa e esposa, assim como outros dirigentes. Também Fernando Jorge Moniz e esposa, Palmira Bettencourt, assim como as respetivas Mordomas, Kathy e Andreia. Muitas bandeiras e coroas. (Na minha terra, a melhor coroação era aquela que contava com mais bandeiras e coroas, assim como o comprimento do cortejo.) O acompanhamento foi feito pela Filarmónica do Divino Espírito Santo de Laval.

Depois da Missa Solene e de volta ao ponto de partida, os dirigentes, a exemplo do que já acontecera de véspera, serviram as tradicionais «Sopas do Espírito Santo». No mesmo instante foi aberto o bazar. O bar da Associação e as tabernas e quiosques improvisados na zona do Mercado, também «abriram os seus balcões». Malassadas, massa sovada, bifanas; vinhos, cervejas, nada faltou no decorrer dos três dias festivos em Ste-Thérèse. E ainda houve sopas para quem chegou tarde. Para isso, bastava o piscar de olho a um dos dirigentes... Vimos gente beneficiar desses gestos de boa e feliz generosidade.

Os festejos de São Pedro, realizados a 24, 25 e 26 de junho - em plena época de São João - terminaram, como decorreram nos três dias, de forma apoteótica, com Eddy Sousa e Marcelo Neves. Aquele deve ser, neste momento, o cantor mais requisitado para as festas populares da comunidade; este, brasileiro de origem e a viver em Toronto, com aquele seu jeito ca-ri-nho-so e música de fazer dançar o mais pintado, deram um show digno dos maiores encómios. Sobretudo o brasileiro, que pôs todas as pessoas a dançar. E foram milhares!

De grande qualidade foi a atuação da banda (Nova Geração) que veio da Lagoa. No entanto, o estilo de música, mais virado para o modernismo, teve alguma dificuldade em levantar o moral daquela gente, de natureza pacata e de idade mais avançada. Bem tentou o vocalista (Tiago Costa), saltando do palco em direção às pessoas para as incitar a baterem palmas ou a repetirem o refrão das suas cantigas... Se nem sempre ele conseguiu, a verdade é que no fim da atuação, todos estavam de acordo com a categoria do vocalista e seu respetivo grupo.

O Mordomo para 2012 é José Medeiros.

O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

Apesar das resistências encontradas na imprensa portuguesa em geral, o LusoPresse decidiu adoptar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa pelas razões que já tivemos a oportunidade  de referir noutro local.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.
 
Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020