logo
rss  Vol. XV - Nº 243         Montreal, QC, Canadá - sexta-feira, 05 de Março de 2021
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContacto arrowÚltima hora arrowClima
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Médico: Abusador pode exercer

 

alcidiorangel

O Conselho Disciplinar do Sul da Ordem dos Médicos não suspendeu o médico Alcídio Rangel, acusado de abusar de doentes no Hospital de Santa Marta, em Lisboa, optando por «proceder a diligências instrutórias junto do DIAP para elaborar um eventual despacho de acusação». O médico pode, assim, continuar a exercer no privado - como escrevia há dias o Correio da Manhã, de Lisboa

O Dr. Alcídio Rangel, de 61 anos, que era cirurgião cardiovascular no Hospital de Santa Marta foi demitido da função pública em 2010, na sequência de uma investigação da Inspeção-geral das Atividades em Saúde (IGAS) que se iniciou em 2006.

Segundo as informações veiculadas pelos jornais, o processo foi desencadeado há cerca de dois anos por uma paciente, que depois de uma consulta apresentou queixa ao Hospital de Santa Marta, em Lisboa, acusando o médico de conduta e comportamento abusivo e ultrajante. No entanto já tinham sido anteriormente referenciadas algumas outras queixas apresentadas àqueles serviços por outras mulheres também utentes.

O cardiologista pedia às utentes que se despissem, servindo-se do pretexto da necessidade de ter de fazer uma observação mais rigorosa e depois encostava-se ao corpo nu das doentes. Em dois dos casos noticiados chegou mesmo a «assediar» uma enfermeira que também o denunciou à direção do hospital.

Alcídio Rangel trabalhou também para a Federação Portuguesa de Futebol (desde 1988 e até bem pouco tempo) e inclusive trabalhou com a Seleção Feminina e as camadas jovens, segundo a reportagem da RTP1.

Até então eram apenas conhecidas cinco vítimas. A investigação conduzida pela Inspeção-geral das Atividades em Saúde constatou que o médico faltoso apalpou a vagina e beliscou os seios às suas pacientes entre outros atos de assédio sexual e concluiu pela culpabilidade do médico, defendendo a sua suspensão do Serviço Nacional de Saúde.

Tal como tem sido noticiado na imprensa escrita diária e noutros meios de comunicação, os abusos deste indivíduo eram já do conhecimento da Ordem dos médicos desde 2008.

A Polícia Judiciaria tem estado a fazer a despistagem (ou seja a averiguação) das cerca de 200 mulheres que terão sido operadas por este médico entre 2008 e 2009 para saberem quais as que foram abusadas por ele.

O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

Apesar das resistências encontradas na imprensa portuguesa em geral, o LusoPresse decidiu adoptar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa pelas razões que já tivemos a oportunidade  de referir noutro local.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.
 
Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2021