logo
rss  Vol. XV - Nº 239         Montreal, QC, Canadá - segunda-feira, 01 de Março de 2021
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowArquivos arrowContacto arrowÚltima hora arrowClima

Associação Portuguesa do Canadá

Mais participação ou morte

Norberto Aguiar

Por Norberto Aguiar

Há semanas, circulou na Comunidade Portuguesa um folheto sobre a Associação Portuguesa do Canadá. Muito mal escrito, ele era tendencioso, provocador mesmo, com afirmações descabidas, ao ponto de ferir a honorabilidade de algumas pessoas, acabando por também atingir o Carlos Ferreira, como se ele, ligado à Associação desde os tempos do Luso Stars quando já naquela altura dava, do seu bolso, dinheiro para equipamentos e outras mordomias da equipa, quisesse se «apoderar» das instalações da mais antiga coletividade portuguesa do Canadá.

associacao portuguesa carlos ferreira

Entretanto, com a «escrevinhadura» analisada, Carlos Ferreira aconselhou-se com algumas pessoas sobre se havia de contra-atacar. Uns que sim e outros que não, o consagrado empresário acabou por decidir pôr os pontos nos ii na parte que lhe toca, isto é, sobre a sua recente ligação à Associação. E, para isso, marcou encontro com o jornalista no seu habitat natural, que é, como todos sabem, o restaurante Ferreira Café, o primeiro do seu pequeno império.

Dirigentes em pânico

«Pessoas que eu prezo, falaram-me nas péssimas condições por que passava a Associação Portuguesa do Canadá, tanto no aspeto financeiro como no das instalações. E como nunca digo que não a um amigo, prometi analisar a situação, avançando porém que não me via mecenas da Associação», começou por nos dizer um Carlos Ferreira vigoroso, mas ao mesmo tempo sereno. É preciso dizer, desde já, que a conversa com o Carlos foi mais de ouvir do que perguntar, tantos eram os esclarecimentos e dados que tinha - teve - para explanar.

«A minha ligação efetiva à Associação começa com uma visita às suas instalações que, posso afirmar, ainda as vi piores do que aquilo que me contavam. Apesar disso, considerei que se não me implicasse, a Associação passava por sérios riscos de fechar, pois as queixas dos vizinhos já eram muitas; com a Câmara a insistir num processo de renovação. Mas que fazer quando a Associação vive de alguns (poucos) carolas, sem praticamente atividades que possam gerar receitas e que não tem dinheiro para as transformações necessárias? A resposta só pôde ser duas: fechar a porta ou avançar para as renovações. Com a concordância dos seus dirigentes, então avançou-se na direção da criação de uma renovada agremiação».

E como se arranja o dinheiro?

«É de enaltecer a entidade bancária que quis ajudar. A hipoteca é de 1600 dólares, o que não é segredo, e que eu pago por utilizar a cozinha da parte de manhã, de segunda a sexta-feira. Para isso renovámos o que tinha de ser renovado, tanto no exterior - janelas, por exemplo -, cozinha, bar, sala de baixo e eletricidade. Toda essa renovação, só para se ficar com uma ideia do que para ali andava, retiraram-se quatro contentores de lixos e entulho! Sinceramente, aquilo estava em estado lamentável! Com equipamento da pré-história. Sorte foi não ter passado algum inspetor... Depois, tivemos que comprar fogões, frigoríficos, mesas, etc. Gastos que ascenderam a 75 mil dólares. Mais 22 mil foram investidos no tratamento do gás e em novos suportes elétricos, pois os antigos não tinham a potência necessária para suportar os novos equipamentos. E eu que pensava fazer uma doação de 25 mil dólares à Associação...», desabafa o homem cujo sentido comunitário não deixa dúvidas a ninguém, a não ser ao(s) autor(es) do famigerado folheto.

«Não fui inteligente!»

«Quando acedi à proposta de ajudar a APC, eu já tinha um pré-acordo com uma companhia para utilizar um espaço, perfeitamente aceitável, ao preço de 600 dólares por mês. Daí que o meu «negócio» com os dirigentes da Associação demonstre que não fui inteligente. Para além disso, ainda aparecem pessoas deste jaez, mesquinhas e desonestas, ávidas pela controvérsia e maldizer. O que seria interessante saber é o que essas pessoas têm na manga para ajudar a Associação, que precisa não só de renovar a sua sede, mas também, eu diria mesmo, acima de tudo, uma renovação de mentalidades, que é, em minha opinião, o grande passo a dar por todos os sócios e dirigentes da APC, isto caso ela queira sobreviver».

Mais participação ou morte

«Já que estamos a falar dos problemas da APC, vou mais longe. Como é que a Associação Portuguesa do Canadá, com mais de 50 anos de vida, pode ter as portas abertas apenas fiando-se nuns (poucos!) jantares à sexta-feira, com ementas dignas, mas a preço de truta e meia? Há quem fale nos bailes de fim de semana. Mas quantos? Aposto que tudo junto, jantares da sexta-feira e a meia dúzia de bailes por ano, não darão mais do que 10 mil dólares de receita. É com este montante que a APC quer viver? Se continuar assim, o fim de vida da APC não estará muito longe...».

Juventude e atividades

«Estou disposto a sensibilizar amigos para se juntarem a mim na reorganização da APC. E tenho ganas de recrutar jovens para a Associação, pois que o futuro dela a eles pertence. E se conjugarmos mais sócios para a APC, com a abertura das suas instalações à nossa juventude, o resto virá por acréscimo, como seja a implementação de atividades diversas, cultural e desportivamente. A propósito, onde estão os desportistas desta comunidade? Pura e simplesmente não existem ou estão disseminados algures. Não acham que é tempo de nos metermos ao trabalho em prol da APC, que é o mesmo que dizer de uma parte significativa da nossa comunidade e da sua História?»

Da nossa parte, pedimos (a)o leitor(a) que reflita sobre as várias perguntas aqui feitas pelo Carlos Ferreira, um empresário de sucesso e que muito tem contribuído para o progresso da nossa comunidade.

O tempo no resto do mundo

Acordo Ortográfico

Apesar das resistências encontradas na imprensa portuguesa em geral, o LusoPresse decidiu adoptar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa pelas razões que já tivemos a oportunidade  de referir noutro local.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.
 
Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2021