logo
rss  Vol. XV - Nº 236         Montreal, QC, Canadá - quinta-feira, 04 de Março de 2021
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContacto arrowÚltima hora arrowClima
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Os meninos à volta da fogueira... nas Beiras!

Inês Faro

Por Inês Faro

Viseu, Beira Alta – Diz a tradição pagã que na noite da consoada se deve acender uma grande fogueira para aquecer o menino Jesus. Na região das Beiras as «Fogueiras do Menino», também conhecidas como «Fogueiras do Galo» ou do «Madeiro» são uma tradição de Natal e raras são as aldeias que não a cumprem.

Os frios intensos e muitas vezes a neve que se sentem na Beira Alta e Beira Interior, faz com que o calor das fogueiras tenha um sabor especial. Dita a tradição que sejam os rapazes que nesse ano estejam destacados para o serviço militar que tragam grandes quantidades de lenha para os adros das igrejas. Mas os troncos podem também ser dádivas de pessoas que querem agradecer as graças que lhes foram concedidas nesse ano. De uma maneira ou doutra, o «madeiro» é posto a arder na noite da Consoada na frontaria das igrejas e capelas, antes da celebração da Missa do Galo à meia-noite. Finda a celebração litúrgica, o povo reúne-se à volta da fogueira para se aquecer e confraternizar. E não há desavenças entre vizinhos que impeça esta animada reunião popular! Dependendo da vila ou aldeia, entoam-se cânticos de Natal, bebe-se o «abafadinho», um vinho quente e doce, que acompanha carnes assadas na brasa da fogueira. Depois de alguns anos em que a tradição parecia ter sido esquecida, sobretudo pelo êxodo da população para zonas urbanas ou outros países, a «Fogueira do Menino» voltou a marcar presença nos últimos tempos.

Bacalhau para todos

É na época de Natal que as famílias portuguesas mais se esmeram. Onde há alma lusitana, há casas primorosamente arranjadas, dá-se uso ao melhor serviço de mesa, escolhe-se a toalha mais bonita e cozinham-se as melhores iguarias (é que nisto de cozinhar e bem comer, não há ninguém que nos iguale)!

Também à mesa a região das Beiras assume algumas particularidades. O bacalhau cozido com batatas e couves é rei, mas o cabrito assado no forno a lenha e o peru, assim como o arroz de cabidela e o leitão recheado são presença assídua nas mesas beirãs. A acompanhar servem-se vinhos encorpados normalmente regionais.

Já nas sobremesas são as filhoses, fatias douradas, tigelada, pudim de abóbora, castanhas doces, pudim de pão, biscoitos de gema, gargantas de freira, creme caseiro, papos de anjo, leite-creme, talassas, rabanadas de abóbora e os coscorões que fazem as delícias dos convivas mais gulosos.

No dia de Natal, comem-se carnes diversas e nesta como noutras zonas do país é tradicional confecionar-se a «roupa-velha», com as sobras da consoada. Um outro costume, apesar de estar a cair em desuso, é a evocação dos mortos, na consoada, com o seu lugar à mesa, fazendo-se uma duplicação da ceia para eles numa outra sala.

Adorar o menino

Como região maioritariamente católica, nas casas beirãs não pode faltar o presépio, normalmente coberto de musgo, vegetação, areia e pedras. Nas cidades, onde é mais difícil encontrar estes adereços, é o papel de cenário ou o tecido que cumpre essa função. A contemplação do Menino nas palhinhas deitado também se faz em lugares públicos, onde grandes presépios são montados, normalmente em zonas de muito movimento.

Já a proveniência dos presentes varia de família para família: podem ser trazidos pelo menino Jesus ou pelo Pai Natal e podem ser abertos ou na noite de Consoada ou na manhã do dia de Natal, junto ao sapatinho que se encontra ao lado da chaminé.

E assim se passa o Natal nas Beiras: a comer, a beber, com os meninos à volta da fogueira.

2

Natal
Viseu, Beira Alta – Diz a tradição pagã que na noite da consoada se deve acender uma grande fogueira para aquecer o menino Jesus. Na região das Beiras as «Fogueiras do Menino», também conhecidas como «Fogueiras do Galo» ou do «Madeiro» são uma tradição de Natal e raras são as aldeias que não a cumprem.
Os meninos a volta da fogueira.doc
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2021