logo
rss  Vol. XV - Nº 236         Montreal, QC, Canadá - quinta-feira, 04 de Março de 2021
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContacto arrowÚltima hora arrowClima
Partilhe com os seus amigos: Facebook

À venda…

Bandeiras do Divino Espírito Santo

Norberto Aguiar

Por Norberto Aguiar

Acometida de doença, Filomena Pereira começou a fazer bandeiras do Divino Espírito Santo, «Porque sou crente e precisava de estar ocupada». Foi há sete anos, depois de recuperada, que o gosto pela feitura das bandeiras começou. Primeiro como hobby, agora já mais em termos profissionais, muito embora reconheça que ainda não tem uma clientela fidelizada.

«Os primeiros exemplares ofereci-os à Igreja Saint-Luc, de Pierrefonds, a mesma que promove todos os anos os festejos do Divino Espírito Santo da Associação» – referia-se à Associação Portuguesa do West Island, onde foi feita esta pequena entrevista. «Depois, comecei por vender a algumas amigas, também devotas do Divino Espírito Santo. Mas agora, que a produção é maior, preciso de um leque de compradoras maior», diz-nos Filomena Pereira em conversa tida com o jornalista no gabinete da direção da Associação Portuguesa do Oeste de Montreal, enquanto a música e a dança são rainhas da sala principal.

Com algumas bandeiras expostas sobre uma mesa no decorrer da festa de Natal daquela agremiação, convidámos a Filomena a falar das características das bandeiras e respetivos preços. E a resposta não se fez esperar: - Uma bandeira pode custar 800 dólares, atira-nos, para logo continuar, «Mas há diferentes modelos e tamanhos; por isso, diferentes preços. Depende do que é que a cliente quer». (Aqui, «... a cliente quer», tem a ver com o facto de estas bandeiras serem, «coisas de mulheres»).

Feitas de pano vermelho damasco, as bandeiras têm as respetivas pombas, marca indelével do Divino, e fitas douradas, tudo feito à mão, como nos diz Filomena Pereira, uma micaelense da Fajã de Baixo, no Canadá há 35 anos – chegou em fins de Fevereiro de 1975, uma semana antes deste vosso servidor.

Resta dizer que as bandeiras também podem ser feitas a partir duma ideia da compradora, ou do comprador, pois nisto não há exclusão de sexos, e que a Filomena pode deslocar-se a casa da (do) cliente, «mas só ao fim de semana». De uma maneira geral, o mais importante é «haver um primeiro contacto, porque depois se arranja maneira de definir o lugar do encontro».

A conversa terminou com a entrevistada a perguntar se havia algo a pagar ao jornal. Dissemos que não, retorquindo-nos a artesã de arte religiosa com um «oxalá que eu com esta entrevista tenha sorte».

A resposta às nossas leitoras. Principalmente! Mas só isso.

Para contactar Filomena Pereira: (514) 421-6335.

Comunidade
Acometida de doença, Filomena Pereira começou a fazer bandeiras do Divino Espírito Santo, «Porque sou crente e precisava de estar ocupada». Foi há sete anos, depois de recuperada, que o gosto pela feitura das bandeiras começou. Primeiro como hobby, agora já mais em termos profissionais, muito embora reconheça que ainda não tem uma clientela fidelizada.
A venda.doc
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2021