logo
rss  Vol. XV - Nº 236         Montreal, QC, Canadá - quinta-feira, 04 de Março de 2021
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContacto arrowÚltima hora arrowClima
Partilhe com os seus amigos: Facebook

A Quinzena em notícias

Carlos de Jesus

Por Carlos de Jesus

Quarta-feira, 1 de dezembro

Europa: Às voltas com o inverno

A neve é bela mas tem feito a vida infernal a muitos europeus, especialmente nas estradas. Alguns condutores foram apanhados desprevenidos e sofreram acidentes.

É um manto branco que cobre o velho continente, incluindo o Norte de Portugal. Em França mais de 7 mil camionistas pararam nas áreas de descanso até as condições permitirem uma viagem segura. O Reino Unido está também sob um manto branco. Sofreu o pior nevão outonal desde 1993. Vários aeroportos sofreram graves perturbações como o londrino de Gatwick, em Inglaterra, e o de Edimburgo, na Escócia. A Suíça, um país habituado ao rigor invernal, foi também obrigado a encerrar o Aeroporto de Genebra e a interromper algum tráfego de e para o Aeroporto de Zurique. Centenas de passageiros ficaram em terra.

Quinta-feira, 2 de dezembro

Montreal: linha de delação muda de mão

A administração de Montreal retirou a «linha de ética» ao verificador geral, Jacques Bergeron, para a responsabilidade do controlador geral. Segundo a oposição trata-se dum diferendo entre o «maire Tremblay» e Jacques Bergeron que está na origem desta mudança de responsabilidades. Este serviço foi posto em funcionamento em 2009 e destina-se a facilitar a denúncia de atos contra a ética dos edis, funcionários ou outros que tentem corromper os serviços municipalizados.

Sexta-feira, 3 de dezembro

Costa do Marfim: Fronteiras fechadas após resultado das eleições

A alegria dos apoiantes de Alassane Ouattara foi de pouca duração, na Costa do Marfim. O país está agora isolado do resto do mundo. O exército encerrou todas as fronteiras marfinenses, após o anúncio da vitória da oposição nas presidenciais do país.

De acordo com a Comissão Eleitoral, Ouattara venceu com 54,1 por cento dos votos – um resultado que o presidente cessante recusa aceitar. Para além do encerramento das fronteiras, a Costa do Marfim está igualmente isolada do resto do mundo em termos mediáticos: foi também suspensa a difusão de canais de rádio e televisão estrangeiros, os primeiros a anunciar a derrota de Laurent Gbagbo. Um anúncio que provocou uma onda de violência. Apesar do recolher obrigatório, em vigor até domingo, na noite de quarta-feira, oito pessoas morreram no ataque a uma sede local do partido de Ouattara, em Abidjan, a capital económica do país.

Oito mil capacetes azuis tentam manter a segurança, num país em que a tensão é cada vez maior. Ouattara, por seu lado, considera-se o legítimo vencedor das eleições deste fim de semana e diz que a principal tarefa, agora, é «unir a nação.» O Conselho Constitucional tem sete dias para decidir quem é, realmente, o vencedor das eleições de domingo.

Sábado, 4 de dezembro

México: Cimeira climática de Cancún

Enquanto na Cidade do México manifestantes exigiam ontem aos Governos a tomada de medidas urgentes contra as alterações do clima, em Cancún, onde decorre a cimeira das Nações Unidas sobre as alterações climáticas, pairava uma nuvem ameaçadora sobre o prolongamento do Protocolo de Quioto para lá de 2012. A China e outros países, entre os quais a Venezuela, acusam as nações mais desenvolvidas de quererem matar o Protocolo de Quioto.

O Protocolo de Quioto, que termina em 2012, é atualmente o único instrumento com metas definidas para a redução de emissões de gases com efeito de estufa e para combater as alterações climáticas.

Domingo, 5 de dezembro

Irão: Autos suficiente em combustível nuclear

Ali Akbar Salehi, o chefe do programa nuclear iraniano, anunciou que a partir de minério extraído de uma mina no sul do país, o Irão produziu o seu primeiro lote de concentrado de urânio (bolo amarelo), que serve de base à produção de urânio enriquecido.

O «bolo amarelo» é usado para produzir o gás hexafluoreto de urânio (UF-6) que é depois injetado nas centrifugadoras, produzindo urânio enriquecido. O anúncio de Ali Akbar Salehi foi feito 24 horas antes de em Genebra ser reiniciado o diálogo entre o Irão e o grupo dos 5+1, os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU e a Alemanha, sobre o controverso programa nuclear iraniano.

Segunda-feira, 6 de dezembro

Haiti: Novo tremor social

Milhares de haitianos saíram à rua pela segunda vez em três dias para pedir a anulação das eleições legislativas e presidenciais. A manifestação foi encabeçada por vários candidatos e líderes da oposição que falam em fraude eleitoral.

Munidos de cartões vermelhos, os manifestantes tentaram aproximar-se do Palácio Presidencial em Port-au-Prince, mas foram travados pela polícia antimotim. «O objetivo desta manifestação é pedir a anulação das eleições do passado dia 28 de novembro. Os apelos à calma multiplicam-se. Os manifestantes prometem não baixar os braços.

Terça-feira, 7 de dezembro

Mariza, premiada pela França

Mariza foi agraciada com a medalha de Chevalier de l’Ordre des Arts et des Lettres atribuída pelo ministro da Cultura de França, Frédéric Mitterrand. Trata-se da primeira condecoração estrangeira para a fadista feita comendadora da Ordem Infante D. Henrique pelo Presidente Jorge Sampaio. E também, com regozijo do próprio, a primeira distinção entregue pelo embaixador da França em Portugal, Pascal Teixeira da Silva, que entrou funções em Lisboa há três meses e é filho de um português de Castelo de Paiva que emigrou nos anos 30 para França.

Fundador do Wikileaks detido no Reino Unido

O fundador do Wikileaks Julian Assange foi detido no Reino Unido. A informação foi confirmada pela polícia britânica que se tinha reunido com o advogado de Assange para organizar um interrogatório. Assange é alvo de um mandado de captura internacional pela alegada violação de duas mulheres na Suécia.

Para o responsável da Wikileaks trata-se de uma represália pela publicação de milhares de documentos diplomáticos norte-americanos. Washington já afirmou que pretende também abrir um processo contra Assange por espionagem.

Quinta-feira, 9 de dezembro

Quebeque: Fraude fiscal de meio milhão

As empresas do famoso empreiteiro quebequense Tony Accurso utilizaram um estratagema de faturas falsas não só para fraudar o fisco mas também para fazerem circular montanhas de dinheiro em notas de banco segundo os documentos de Revenu Canada divulgados à imprensa.

O dinheiro líquido obtido por este estratagema servia, em geral, para pagar salários «por baixo da mesa» e para uso pessoal dos administradores das empresas. Os administradores atuais preferiram declarar-se culpados evitando assim um processo onde os seus métodos operacionais pudessem vir a ser conhecidos do público. As companhias acusadas de fraude são Simard-Beaudry e Construction Louisbourg por um total de 4,1 milhões de dólares.

Quarta-feira, 8 de dezembro

Médio Oriente: Diplomacia americana não consegue juntar israelitas e palestinos na mesma mesa

O conflito israelo-palestiniano causa novo revés a Barack Obama. A diplomacia americana desistiu de impor a Israel o congelamento das construções na Cisjordânia. Depois da ronda de negociações diretas em setembro, a moratória israelita chegou ao fim no final desse mês e os palestinianos retiraram-se das conversações. Em Ramallah, o porta-voz do executivo palestiniano considerou «um desastre a incapacidade americana em impor uma nova moratória a Israel».

Em Washington, o regresso às conversações indiretas parece ser a única forma de continuar a dialogar. Mas, apesar da intransigência israelita quanto à questão da construção nos colonatos, o governo de Telavive assegura que «permanece empenhado na busca de um acordo de paz histórico com os palestinianos, um acordo que traga uma reconciliação genuína entre os dois povos».

Israel criticou, entretanto, a decisão da Argentina e do Brasil em reconhecerem a «Palestina como um Estado livre e independente» e com as fronteiras anteriores à Guerra dos Seis Dias, em 1967. Washington também qualificou estes atos de contraproducentes.

Sexta-feira, 10 de dezembro

Oslo: Prémio Nobel da Paz denunciado por Pequim

Pequim contesta a atribuição do Nobel da Paz ao dissidente chinês e compara a cerimónia, em Oslo, a uma «farsa». A imprensa desta sexta-feira destaca as ausências no evento. Cerca de um terço dos países convidados terá cedido à pressão diplomática, números que Pequim faz questão de lembrar.

As emissões televisivas consagradas ao Nobel da Paz 2010 foram interrompidas e os sites bloqueados. Os familiares e amigos de Xiaobo foram impedidos de sair da China para receber o galardão e, nas ruas, poucos se atrevem a falar.

A segurança foi reforçada um pouco por todo o país. As atenções estão, sobretudo, voltadas para o apartamento do Nobel da Paz, Praça de Tiananmen e para a embaixada da Noruega.

Sábado, 11 de dezembro

Portugal: Manoel de Oliveira, 102 anos

Manoel de Oliveira festeja este sábado 102 anos. Sem ceder ao peso da idade, o mais velho realizador do Mundo ainda no ativo promete novos projetos. Depois de quase oitenta anos ao serviço da sétima arte – com início nos tempos do cinema mudo – Manoel de Oliveira tem dois filmes em fase de financiamento e diz que «quer fazer mais».

Na quinta-feira exibiu na Fundação de Serralves, no Porto, a sua última realização, a curta-metragem «Painéis de São Vicente de Fora – Visão Poética». Este domingo será homenageado no Festival de Cinema Luso-Brasileiro, em Santa Maria da Feira, onde será projetada a última longa-metragem «O Estranho Caso de Angélica».

Domingo, 12 de dezembro

México: ajuste de contas provoca 11 mortos

Novo tiroteio no México. Onze pessoas morreram e mais de 20 ficaram feridas durante um ajuste de contas entre grupos rivais ligados ao narcotráfico. O incidente ocorreu no município de Tecalitlán, 700 quilómetros a oeste da Cidade do México durante as celebrações religiosas em honra de Nossa Senhora de Guadalupe.

Um grupo de homens abriu fogo sobre um grupo rival numa praça da cidade, colocando-se, depois em fuga. No local foram encontradas balas de diferentes armas e oito viaturas. A violência ligada ao narcotráfico provocou, nos últimos quatros anos, a morte a mais de 30 mil pessoas.

Cancún: Acordo sobre o clima

Uma longa ovação culminou a conferência sobre o clima em Cancún, no México. A salva de palmas justificou-se pelo acordo a que foi possível chegar para os países em desenvolvimento reduzirem o abate de árvores nas suas florestas tropicais. Foi ainda aberto caminho para a redução dos gases de efeito de estufa, tema a ser discutido na conferência de Durban, marcada para finais de 2011.

O aspeto central do acordo do México é a definição de um preço para cada árvore, a ser financiado por um Fundo Verde, que deverá ser ativado em 2020.

Dos 194 países representados, só a Bolívia contestou o acordo criticando, por exemplo, a falta de vontade para renovar o Protocolo de Quioto. Mas o acordo foi apoiado por países como os EUA, Japão e China, que mais têm contestado a necessidade de medidas vinculativas e que, nos 12 dias em que durou a reunião de Cancún, foram dos que mais obstáculos levantaram às negociações.

Segunda-feira, 13 de dezembro

Irão: Presidente demite ministro dos Negócios Estrangeiros

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, demitiu o ministro dos Negócios Estrangeiros. Manouchehr Mottaki vai ser substituído interinamente pelo chefe do programa nuclear iraniano, Ali Akbar Salehi, até à aprovação do novo representante da diplomacia pelo Parlamento.

No último ano, a imprensa iraniana relatou pressões do Parlamento para que Mottaki fosse demitido em caso de novas sanções do Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas) contra o programa nuclear iraniano.

Ao que tudo indica, os legisladores sentiam que ele não era um defensor forte e persuasivo suficiente do Irão no contexto internacional.

Terça-feira, 14 de dezembro

Itália: Berlusconi salvo por três votos

Salvo por três votos. O governo de Silvio Berlusconi vai continuar a liderar a Itália. A Câmara dos Deputados chumbou esta tarde as moções de censura contra o executivo, apresentadas pela esquerda e pelo grupo de centro-direita do antigo aliado de Berlusconi, Gianfranco Fini. 314 votos contra e 311 a favor, uma margem mínima que dita a manutenção do executivo de Berlusconi. Mas a coligação de centro-direita sai fragilizada porque terá de continuar a governar sem maioria, ainda que Berlusconi tenha estendido a mão aos centristas.

Quarta-feira, 15 de dezembro

Londres: Julian Assange libertado sob fiança

Um tribunal londrino decidiu libertar, sob uma fiança de 200 mil libras, o fundador do site WikiLeaks, Julian Assange, que está detido desde a semana passada acusado de supostos crimes sexuais e para responder ao pedido de extradição feito pelas autoridades suecas.

De acordo com a BBC, o fundador do WikiLeaks terá também que entregar às autoridades britânicas o seu passaporte, estando desta forma impedido de viajar.

O australiano está sob estas medidas até à próxima audiência do caso, que está marcada para o dia 11 de Janeiro.

Atualidade
A neve é bela mas tem feito a vida infernal a muitos europeus, especialmente nas estradas. Alguns condutores foram apanhados desprevenidos e sofreram acidentes.
A quinzena em noticias.doc
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2021