LusoPresse
Ano  X - Nº 146 Montreal, 1 de Outubro de 2006 Notícias e comentários da comunidade lusófona
ARTIGOS E COMENTÁRIOS
Vantagem de Lula
Editorial
O Mundo do Vinho
Domingo é um dia difrente
Prioridades - Habitação e Educação
Mistérios
Olho Comunitário

  Editor: Norberto Aguiar
  Director: Carlos de Jesus
  Meteo

Links Úteis

Teia Portuguesa



Carrefour Lusophone


Viragem.net
Páginas de Montreal

Saturnia
Primeira Página Outras Páginas


Mistérios

Manuel Calado

Como é que o Espírito Santo, que tudo manda e tudo pode, podia permitir que quatro mulheres devotas da Terceira Pessoa da Santíssima Trindade morressem queimadas, precisamente quando preparavam a festa em sua honra? O mundo é uma coisa complicada, e o povo faz perguntas. Perante acontecimentos inesperados, que violam a própria concepção da justiça, embora imperfeita, congeminada pelos homens, o povo crente e bom, fica por momentos na corda bamba do crer ou não crer. Como é possível, pergunta que tais coisas possam acontecer, num universo dominado pela fé num Deus bom e misericordioso? Foi assim, no meio desse nevoeiro do crer ou não crer que várias pessoas atónitas ante a tragédia de Fall River se me dirigiram, procurando resposta ou lógica para o acontecimento que enlutou uma comunidade, cuja fé no Espírito Santo vem sendo conduto e remédio para os males do corpo e da alma de um povo bom, que tudo o que pede é que o deixem trabalhar em paz, e festejar com alegria, os símbolos da sua fé.

Como é que o Espírito Santo, que tudo manda e tudo pode, podia permitir que quatro mulheres devotas da Terceira Pessoa da Santíssima Trindade morressem queimadas, precisamente quando preparavam a festa em sua honra? Se fosse uma festa em honra de S. Martinho, o santo das castanhas e do vinho novo, ou dos casamenteiros S. João ou Santo António, vá que não vá. Mas em louvor do Espírito Santo, a ideia nobre onde entronca toda a fé do povo açoriano, não é fácil de imaginar. Se o fogo que destruiu o Clube do Espírito Santo de S. João acontecesse numa festa de casamento de gays, daria razão aos líderes evangélicos, para dizer que fora um castigo de Deus. Mas que acontecesse quando o povo crente e bom dos Açores se preparava para honrar o «Senhor Espírito Santo», deixou a fé de muitos crentes abalada. Uma leitora e ouvinte das minhas falas perguntou, visivelmente confundida, a razão porque Deus permite que andem por aí esses membros de gangs a matar gente, sem serem apanhados, e mata com o fogo quatro pessoas, precisamente na altura de prepararem uma festa em sua honra?

Como decerto já adivinharam, não soube responder-lhe. Encolhi os ombros, tão confundido como ela. E naquele momento podia adivinhar os diabinhos da dúvida, dançando e fazendo piruetas, contentes com a nossa confusão e ignorância. E eu, que um dia servi de mestre-de-cerimónias, num jantar das Grandes Festas do Espírito Santo em Fall River, e fiz a apologia dessa «força misteriosa, que não é santo nem santa, mas pensamento, essência, concepção mística do espírito que nos move, e encontra no símbolo da pomba a única imagem possível», fiquei igualmente confuso, como confusa deve estar o grosso da comunidade açoriana da «Cidade dos Teares».

No entanto, a fé, esse milagre que ninguém entende, é como a Fénix da lenda. Renasce das próprias cinzas. E assim, renasceu também das cinzas do Clube do Espírito Santo de S. João. Alguém encontrou a pomba da bandeira, intacta. E ali, imediatamente, declarou: «A bandeira ardeu, mas a pomba do Espírito Santo não se queimou. Sinal de que Deus continua entre nós». E na fé daquele devoto do Espírito Santo, o facto da pomba da bandeira se ter conservado incólume, era sinal de que Deus continuava com eles.

Entre a fé e a dúvida, a vida continua, porque a vida é irreversível. E nós somos parte do fenómeno. E como pessoas humanas que somos, não podemos deixar de sentir as dores das famílias atingidas pela desgraça. Uma das vítimas mortais havia celebrado alegremente, no fim da semana anterior, os seus 80 anos bem conservados e cheios de esperança. E os familiares que haviam vindo de longe para a festa do aniversário ficaram mais uns dias, desta vez, para o funeral. E a festa do Espírito Santo de S. João ficou, por este ano, desfeita em fumo e tragédia. Coisas do destino de cada um.

New Bedford, Massachussets (USA)


Copyright 2004-2006 LusoPresse
All copyrights acknowledged. All rights reserved.